quarta-feira, 3 de maio de 2017

ORÓS: O SONHO DA CRIAÇÃO DE TILÁPIA EM CATIVEIRO A SECA ACABOU

Com os açudes esvaziados, agora as cidades começam a perder habitantes, que buscam trabalho



O sonho da criação de tilápia em cativeiro a Seca acabou. As famílias estão endividadas, não há trabalho e renda. As gaiolas, que antes flutuavam sob a água, agora estão sobre a terra. A escassez de água nos dois maiores reservatórios do Estado do Ceará, Orós e Castanhão, além de afetar e colocar em risco abastecimento de água de dezenas de centros urbanos nos vales do Médio e Baixo Jaguaribe e na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), destruiu a economia e o sonho de centenas de famílias que melhoraram de vida a partir da criação de tilápia em cativeiro.

"O nosso sonho acabou. Era uma mina de ouro, mas foi rápido", lamentou o pescador Abrão Pedro da Silva, 49, que era produtor de tilápia na bacia do Açude Orós, na localidade de Pereiro dos Pedros. "Todos nós acreditamos no governo, investimos, trabalhamos, mas secaram o açude, levando água para a região de Fortaleza", disse. "No meu caso, a dívida é de R$ 60 mil, no Banco do Brasil".

Endividados

As famílias estão endividadas, não há trabalho e renda. As vilas começam a ficar esvaziadas. Alguns já viajaram em busca de emprego em São Paulo, outros em municípios da região, como Iguatu. A maioria procura vaga de garçom, pois antes do projeto de produção de pescado em tanques redes iniciar, alguns já trabalhavam nessa atividade.

Quem chega às localidades ribeirinhas, fica admirado com o distanciamento das águas. As terras que estavam cobertas com uma lâmina de água superior a seis metros, agora estão cheias de vegetação, graças às últimas chuvas, e há gado pastando. "No verão, vai ficar tudo seco, com aquelas rachaduras no solo", observa o produtor José Custódio, que indaga: "Quando esse açude vai encher de novo?".

A incerteza de quando haverá recarga significativa no Açude Orós e a impossibilidade de retomada da atividade produtiva a médio prazo criam um sentimento misto de tristeza, frustração e raiva contra o governo. Afinal, para a maioria dos produtores rurais, apesar do quadro de chuvas abaixo da média desde 2012, e falta de recargas nos últimos anos, a decisão de liberar água do reservatório desde setembro de 2016 foi uma decisão fatal para o fim dos criatórios.

Abandono

Nas localidades de Pereiro dos Pedros, Brejinho, Jardim, Jurema, Baixas as gaiolas que antes estavam cheias de alevinos e pescado flutuando sob a água, agora estão abandonadas sobre a terra, ao relento, na margem do açude e guardadas em depósitos precários.

O integrante da Bacia do Alto Jaguaribe, Paulo Landim, diz que, mais uma vez, o Orós liberou água para atender demandas no Baixo Jaguaribe e na RMF com uso na agropecuária, e na indústria, em criatórios de camarão, sem ocorrer uma recompensa para os produtores rurais. "Esse pessoal acreditou no projeto, contraiu financiamentos e estava ganhando dinheiro, mas secaram o açude, não apenas para o consumo humano, sem oferecer nenhuma forma de recompensa", afirma.

Na Bacia do Açude Orós, incluindo localidades do próprio Município e de Quixelô, havia cerca de 700 famílias envolvidas na atividade de produção de tilápia em cativeiro. Cada participante de grupo produtivo obtinha uma renda mensal em torno de mil reais. Somente em Pereiro dos Pedros, eram 136 famílias envolvidas. "Aqui havia renda, mas agora ficamos na miséria", lamenta o produtor Edmilson Pedro da Silva.

Revolta

Sentado no alpendre de casa, ao lado da mulher e de um irmão, Edmilson mostra-se revoltado e desanimado. "Não sabemos quando vamos produzir novamente e eu não quero nem saber quanto estou devendo ao banco, mas sei que é muito e não tenho com que pagar", desabafou. Ele passa o dia olhando para a bacia do Orós, que antes tinha água, mas agora só pastagem e plantio em pequenas vazantes de milho e feijão, além de alguns animais pastando.

"O inverno está bom para a agricultura, mas o milho e feijão não dão a renda que o peixe dava", frisou. A vila de Pereiro dos Pedros está esvaziada, com homens mais velhos e jovens sentados, jogando conversa fora, por falta de ocupação e ainda desorientados com a paralisação da atividade. "Não me disseram que iam secar o açude", volta a reclamar Abrão Pedro da Silva. "Fiz investimentos, ampliei o número de gaiolas e perdi tudo", relata.

Migração

A filha de Abrão, Maiara Pedro da Silva, 23, participava de um grupo de produção de tilápia. O marido, Epaminondas Josino da Silva, 35, também liderava outro grupo de produtores. No mês passado, ele partiu para São Paulo e, por sorte, conseguiu um emprego de garçom. No próximo dia 8 de maio, ela viaja com o filhinho, Artur, de 2 anos. "Estava tudo muito bom, com trabalho e renda mensal de dois mil reais, mas agora vamos deixar casa e família para trás, em busca de sobrevivência", conta. "Não tem mais o que fazer aqui", completa.

Os relatos dos produtores de tilápia são semelhantes. A crise é comum: desemprego, perda da renda, dívida e falta de oportunidades para novas ocupações. Moisés da Silva lembra que havia todas as semanas dezenas de caminhões comprando toneladas de tilápia e transportando o pescado para outras regiões do Ceará e para outros Estados. "O movimento era intenso, mas agora está tudo parado", lamenta.

Nas margens do Açude Orós, que acumula 10% de seu volume, no município de Quixelô, a situação é semelhante. O mesmo ocorre no Castanhão, o maior reservatório do Estado do Ceará, que acumula cerca de 6% de sua capacidade atualmente. Lá, centenas de famílias perderam investimentos, trabalho e renda, além de contraírem dívidas, mediante a impossibilidade de continuidade da criação de pescado em cativeiro.

Nos dois reservatórios, Orós e Castanhão, houve prejuízos que se acumularam depois de seguidas ocorrências de mortandade nos últimos três anos. Os piscicultores insistiram, mas só amargaram prejuízos.

Economia

A crise não se limitou aos produtores rurais e atingiu em cheio a economia das cidades de Orós e Jaguaribara. A atividade comercial registra perda nas vendas de forma significativa. "Milhões de reais deixam de circular todos os meses", observa o prefeito de Orós, Simão Pedro. O secretário de Agricultura, Meio Ambiente, Aquicultura e Pesca do Município, José Henrique Silva, estima que havia uma renda em torno de R$ 7,5 milhões na atividade da pesca. "No comércio, a queda foi mais de 80%", disse.

Os moradores de Orós realizaram protestos, em novembro passado, contra a liberação excessiva de água do açude, mas foi em vão. Quando atingiu a cota em torno de 10%, a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) reduziu para uma vazão mínima, com objetivo de atender a demanda de consumo humano de localidades e cidades no Médio Jaguaribe.

A diretora da Cogerh, Débora Rios, durante o XXIII Seminário de Locação de Águas dos Vales Jaguaribe e Banabuiú, realizado na cidade de Iguatu, observou que, na atual quadra chuvosa, houve um aporte bem aquém do esperado para o Açude Orós. "Não esperávamos um índice tão baixo", pontuou.

Em recente encontro da Cogerh, o diretor Gianni Lima justificou a liberação de água, afirmando que o reservatório cumpriu com o seu papel estratégico. "No futuro, com a chegada de água da Transposição do Rio São Francisco, o Orós será preservado", frisou. "A água tem que atender a seus múltiplos usos e necessidade de outras comunidades", completou.

2 comentários:

  1. Infelizmente a situação é constrangedora, se continuar assim, o colapso hídrico estará comprometido. Mas Deus irá prover tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. INFELIZMENTE MEU AMIGO A SITUAÇÃO É ASSUSTADORA, MAS DEUS É MAIOR.

      Excluir